Contactos

Telefone +351 254 882 120
E-mail info@feq.pt
Morada a utilizar em GPS

Caminho Particular de Tormes
Quinta de Tormes – Baião
4640-424 Santa Cruz do Douro
Coordenadas GPS: N 41º 07’ 33’’ | W 08º 0’ 14’’

Envie-nos uma mensagem!

Actividades

Eça na rota do Modernismo Brasileiro

SEMINÁRIO QUEIROSIANO 2018


Project Description

As questões da civilização em Eça de Queiroz e Oliveira Martins

XXI CURSO INTERNACIONAL DE VERÃO

Públicos/Formato

O Curso de Verão destina-se a todos os interessados na obra queirosiana e na área cultura / literatura / media, nomeadamente a professores (sobretudo, Ensino Secundário), estudantes universitários nacionais e internacionais (graduação e pós-graduação), estudiosos e pesquisadores nas áreas de Ciências de Comunicação, Estudos Culturais e Literários, Turismo Literário.

O formato de Curso de Verão / Seminário Internacional corresponde a um padrão, com uma tradição consolida desde 1998. Vd. as temáticas das últimas edições: Atividades

Com cada edição, as temáticas e as leituras recomendadas variam.

Introdução e Objectivos

Esta edição do Curso de Verão debruça-se sobre Eça de Queiroz e Oliveira Martins, tendo como ponto de partida a sua relação de amizade, o diálogo sobre temas que lhes eram coevos e a sua receção mútua. A ideia de civilização que obsessionava a intelectualidade europeia na segunda metade do século XIX não só perpassa as obras de ambos, como o faz de forma bastante diversificada. Muitas vezes associada à ideia de conhecimento, de ciência, de missão colonizadora, esta surge recorrentemente nos textos de imprensa e também na obra literária de Eça. Enquanto que, por exemplo, no conto intitulado “Civilização”, no romance A Cidade e as Serras ou na Correspondência de Fradique Mendes, esse tema se apresenta de forma explícita, em outras obras queirosianas a concepção do que viria a ser uma sociedade dita ‘civilizada’ revela-se de uma forma ou de outra. Basta pensar no questionamento do enriquecimento com o tráfico de escravos, como acontece com a origem da fortuna do pai de Maria Monforte em Os Maias – um romance que dialoga com a visão exposta em História de Portugal e Portugal Contemporâneo – ou, num outro exemplo, na exploração da colónia moçambicana por parte de Gonçalo na Ilustre Casa de Ramires – um projeto que deve ser lido no contexto do debate coevo, no qual participava Oliveira Martins (vd. Dispersos). Este pensador refletiu em vários textos (A Inglaterra de Hoje, O Brasil e as colónias portuguesas) sobre o devir da civilização europeia e o lugar que Portugal poderia negociar nos contextos ibérico, europeu e colonial, em termos que viriam a marcar o desencanto ideológico da chamada Geração de 70.

Discutindo as distintas abordagens da reflexão feitas por Eça de Queiroz e por Oliveira Martins, o presente curso pretende mostrar como ambos contribuiram para esse debate, não só em Portugal, mas também para além das fronteiras da Europa, no mundo de língua portuguesa.

Leituras recomendadas

Eça de Queiroz, J.M.: Os Maias (1888); A Ilustre Casa de Ramires (1900); A Cidade e as Serras (1901); A Correspondência de Fradique Mendes (1900); Notas Contemporâneas (Livros do Brasil, s/d) Textos de Imprensa IV (Ed. crítica INCM, 2002)

Eça de Queiroz, J.M. / Oliveira Martins, J.P.: Correspondência. Introd. Paulo Franchetti; ed., notas e comentário de Beatriz Berrini, Campinas: Unicamp, 1995.

Oliveira Martins, J.P.: História de Portugal (1879), O Brasil e as Colónias Portuguesas (1880), Portugal Contemporâneo (1881); Dispersos (vol. II, Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional, 1924).

Coordenação Científica

Orlando Grossegesse

Professor associado da Universidade do Minho. Desde 1990 é docente / investigador nas áreas de Literatura e Cultura Alemãs e Comparadas, Tradução e Comunicação Multilingue. Desde 2004 também ensina Estudos Queirosianos, orientando teses de mestrado e doutoramento. Estudou Filologias Românicas e Comunicação Social na Universidade de Munique onde se doutorou em 1989 com uma tese sobre a relação entre conversação e discurso literário na obra queirosiana, publicada sob o título Konversation und Roman (1991). Publicou numerosos estudos no âmbito das Filologias Alemã, Portuguesa, Espanhola e Comparada. Para além da tese de doutoramento, as publicações em livro mais relevantes são: Saramago lesen. Werk – Leben – Bibliographie (1998; 2ª ed. ampliada e atualizada 2009); atas de colóquios e congressos (organizadas ou co-organizadas), entre outras: «O estado do nosso futuro». Brasil e Portugal entre identidade e globalização (2004); com Henry Thorau, À procura da Lisboa africana (2009); com Mário Matos, Mnemo-Grafias Interculturais (2012). Diretor adjunto da Queirosiana (org. das últimas cinco edições: 15-17; 18-20; 21/22; 23/24; 25/26). Membro do Conselho Administrativo e da Comissão Coordenadora do Conselho Cultural da FEQ. Desde 2016 é diretor do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho (CEHUM).

Professores Convidados

Helder Garmes

Professor livre-docente da Universidade de São Paulo, atuando especialmente nas áreas de literatura portuguesa, estudos comparados de literaturas de língua portuguesa e história da literatura. Possui doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (1999), tendo realizado estágios pós-doutorais na École des Hautes Études en Sciences Sociales (2005), no College of Humanities da Ohio State University (2009) e na University of Leeds (2016).

Tem por foco dois núcleos de pesquisa: um voltado para a obra de Eça de Queiroz, sendo, ao lado de Giuliano Lelis Ito Santos, um dos coordenadores do Grupo Eça, registrado no CNPq; outro voltado para a literatura de língua portuguesa de Goa e de outras ex-colônias portuguesas na Ásia, coordenando o projeto Pensando Goa: Uma Peculiar Biblioteca de Língua Portuguesa. É autor do livro Romantismo Paulista (2006), organizador do volume Oriente, Engenho e Arte (2004), co-organizador de Literatura Portuguesa: História, Memória e Perspectivas (2007) e de quadro números especiais da revista Via Atlântica (2003, 2004, 2011, 2016), dedicados à literatura portuguesa e à literatura de Goa, entre outros trabalhos.

Maria Helena Santana

Professora auxiliar na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Doutorou-se em 2001, na mesma Universidade, com uma tese sobre Literatura e Ciência na ficção do século XIX – A narrativa naturalista e pós-naturalista portuguesa (publicada na Imprensa Nacional /Casa da Moeda, 2007). Faz parte da direção do Centro de Literatura Portuguesa (CLP), onde coordena o Grupo de investigação “Património Literário”, e é membro do Conselho Cultural da Fundação Eça de Queiroz.

Tem-se dedicado à narrativa moderna e contemporânea, em particular ao romance do século XIX e à história cultural deste período. Colaborou no vol. III da História da Vida Privada em Portugal (época contemporânea), publicado em 2010. É autora, entre outros trabalhos, das edições críticas de Textos de Imprensa VI, de Eça de Queirós (1995) e O Arco de Sant’Ana, de Almeida Garrett (2005) e co-editora de Almeida Garrett: um romântico, um moderno (INCM, 2003), O Melodrama-I, (CLP, 2006), e Alexandre Herculano – O Escritor. Antologia (INCM, 2010), O Século do Romance (2013), Fragmentos Romanescos de Almeida Garrett (2015).

Pedro Schacht Pereira

Professor associado de Estudos Portugueses e Ibéricos na Ohio State University, nos EUA. Colaborou na criação, em 2012 e na mesma universidade, de um programa de doutoramento interdisciplinar em Estudos do Mundo de Língua Portuguesa. Licenciado em Filosofia pela Universidade de Coimbra (1993), e doutorado em Estudos Portugueses e Brasileiros pela Brown University (2005), publicou em 2015 o livro Filósofos de trazer por casa. Cenários da apropriação da filosofia em Almeida Garrett, Eça de Queirós e Machado de Assis. Enquanto investigador tem trabalhado a narrativa moderna e contemporânea, com destaque para as obras de Eça de Queiroz e de Machado de Assis, Isabela Figueiredo e Alexandra Lucas Coelho, e temas como o orientalismo e os discursos de excepcionalismo civilizacional. Atualmente desenvolve projetos sobre a relação entre a problemática da escravatura e a formação do cânone literário português no século XIX, e a representação de África e do mundo colonial na obra de Eça de Queiroz. Colaborou no volume Beyond Tordesillas. New Approaches to Comparative Luso-Hispanic Studies (OSU Press, 2017).

16 a 20 de Julho 2018

Número limitado de inscrições
Amigos de Tormes: Desconto 10%
Diploma no final do Curso

A P O I O S

logotipos_curso_verao_2017
Likes(0)Dislikes(0)